SAF – Self-adjusting File - endo-e

Página Principal

   
Escrito por: Daniel Sato Yukimassa, Aluno de Pós-Graduação pelo Curso de Especialização em Endodontia da Universidade Guarulhos - UnG, Estagiário Didático da Disciplina de Endodontia da UnG
     

Durante os tempos, inúmeros pesquisadores investigam novas técnicas e instrumentos que sejam capazes de aprimorar a técnica endodôntica.

As limas auto-ajustaveis (Self-adjusting File – SAF) são uma inovação na endodontia. Criadas com a idéia de lima única, as SAF possuem um design revolucionário: um corpo oco, compressível, flexível, de paredes finas compostas de uma fina treliça de níquel titânio recobertas de uma leve camada abrasiva e ponta cilíndrica (Fig. 1). São encontradas em dois diâmetros, 1,5 ou 2.0 mm (a 1,5mm pode ser comprimida e inserida facilmente em um canal previamente preparado com uma lima #20 tipo K, já a 2,0mm pode ser inserida em um canal já preparado com uma lima #30 tipo K).

Fig.1. A) A- conector da peça de mão / B- Conector do sistema de irrigação continua; B) Adaptação da SAF em um canal previamente preparado com uma lima tipo K #20 (esquerda) comparado a uma lima manual (direita) / C) Adaptação tridimensional da SAF em um pré-molar inferior / D) superfície abrasiva em uma magnificação de 25x

As SAF são utilizadas em uma peça de mão vibratória (entra e sai) (KaVo GENTLEpower ou similar) com 3,000 a 5,000 vibrações por minuto e amplitude de 0.4mm. Este constante movimento de vibração combinado com o intimo contato em toda a extensão das paredes do canal radicular remove a dentina através do movimento de raspagem.

Para começar o seu uso a SAF são comprimidas e inseridas no interior do canal radicular. Assim que inserida a lima começa a ganhar a forma do canal radicular. Se o canal radicular possui um formato circular a SAF se adapta ao formato Circular, do mesmo modo que consegue obedecer ao formato de um canal oval, por exemplo, promovendo assim uma adaptação tridimensional no canal radicular. Peters et al.1 observaram em molares superiores preparados com instrumentação rotatória que as paredes dos canais mesiovestibular e distovestibular não são completamente tocadas (Fig. 2).

 
   

 

Já as SAF como possuem uma adaptação tridimensional as paredes do canal radicular conseguem tocar as paredes proporcionando assim uma modelagem e desinfecção satisfatórias. Em dentes que possuem um forte achatamento proximal, as SAF são capazes de tocar 83,2% das paredes de toda a extensão do canal radicular1.

Depois de inserido no interior do canal radicular, são realizados 2 ciclos de 2 minutos cada. Durante estes ciclos as SAF vão aumentando gradativamente o diâmetro do canal radicular devido à pressão constante nas paredes internas do canal radicular. Segundo estudo realizado por Metzger et al.2 a pressão exercida nas paredes do canal vai diminuindo a partir do momento em que o canal é alargado.

Um dos pontos altos do design da SAF é o fluxo de irrigação constante. Acoplado a um dispositivo de irrigação (VATEA – ReDent-Nova ou até dispositivos de irrigação de implante) é possível que a solução seja renovada continuamente (Fig.3). Tudo isso é possível graças ao corpo oco da lima onde 38% do diâmetro do canal fica livre fazendo com que a solução possa circular livremente3.

     
   
 

Fig.2. Analise por tomografia computadorizada do preparo do canal através de limas rotatórias de níquel titânio (antes e depois). Em verde é representado a superfície do canal que foi tocada e em vermelho a porção não tocada da parede interna do canal

 

Outras vantagens relacionadas com a irrigação esta na limpeza das paredes do canal radicular. Devido à irrigação constante somada a continua vibração gerada pela peça de mão o canal fica livre de debris e quase totalmente sem smear layer no interior do canal4.

Por se tratar de uma lima nova estudos quanto a seu design foram realizados recentemente. Na maioria dos testes a SAF mostrou-se satisfatória3, mesmo quando submetida a testes destinados a limas rotatórias (a SAF trabalha com o movimento de vai e vem). Em testes de fadiga do instrumento, por exemplo, foi possível observar uma alta durabilidade se levarmos em conta o tempo em que a lima é utilizada (a primeira falha foi observada após 29,1 min. de uso da lima)(Fig.4.). Levando em conta um molar com 3 canais, cada canal com uma utilização de 4 min. (2 ciclos de 2 min.) perfazendo um total de 12 min.

   
   

Fig.3. SAF acoplado a um dispositivo de irrigação promovendo assim um fluxo constante

 

Fig.4. Fratura de um dos elos da SAF não havendo fratura total da lima

 

Vale ressaltar que a SAF são de uso único. Testes mostram uma diminuição de sua eficácia em ate 40% em relação à abrasividade e de 30% da força aplicada no interior do canal radicular3.

Como poucos estudos foram realizados sobre essas limas não temos como ter a total certeza sobre seus resultados. O que podemos concluir é que se trata de uma idéia revolucionaria que pode se tornar um dia uma realidade no cotidiano do endodontista.

 

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

1. Peters OA, Peters CI, Schonenberger K, et al. ProTaper rotary root canal preparation: effects of root canal anatomy on final shape analyzed by micro CT. Int Endod J 2003;36:86–92.

2. Metzger Z, Teperovich E, Zary R, et al. The Self Adjusting File (SAF). Part 1: Respecting the root canal anatomy; a new concept of endodontic files and its implementation. J Endod 2010;36:679–90.

3.Hof R, Perevalov V, Eltanani M, et-al. The Self Adjusting File (SAF), Part 2: mechanical analysis. J Endod 2010; 36:691-96.

4.Metzger Z, Teperovich E, Cohen R, et al. The Self Adjusting File (SAF). Part 3: Removal of debris and smear layer. A scanning electron microscope study. J Endod 2010; 36: 697-702.